Comece o seu projeto de rede GPON em apenas alguns passos


A tecnologia com o padrão GPON ainda é nova por aqui, iniciou no ano de 2001 pelo grupo FSAN (Full Service Access Network) e é normatizada pela ITU-T (International Telecommunication Union – Telecommunication Standardization Sector), na série de normas G.984.x.

A diversificação em sua aplicabilidade e as novas oportunidades de negócios vem tornando esta tecnologia comercialmente atrativa e principalmente competitiva se comparado a outras soluções

Provedores cada vez menos têm conseguido cumprir suas metas no que se refere à entrega do serviço ao cliente final.

Com queda de quase 15% no alcance de indicadores de qualidade, em maio de 2015, a ANATEL(Agência Nacional de Telecomunicações), recebeu cerca de 1,5 milhão de reclamações de clientes insatisfeitos.

Porém, ampliar a transmissão óptica até o usuário final de forma que seja viável financeiramente para o seu provedor de serviços de internet não tem sido uma tarefa fácil, não é mesmo?

De um lado temos usuários que buscam por serviços com um custo acessível, mas encontram limitações de largura de banda.

Do outro lado, temos provedores que permitem o tráfego com altas taxas de velocidade, mas o custo de implantação para esta oferta se torna elevado.

A necessidade de um equilíbrio entre os fatores custo x largura de banda, tem feito muitos provedores pensar na alteração do seu atual projeto de rede.

Não existe um pré-requisito específico para você começar a implementar a sua rede GPON, mas neste post vamos listar 4 itens importantes para o início do planejamento do seu projeto de rede óptica passiva.

1- Escolha uma região que tenha um público alvo interessante para o provedor.

É importante que você conheça muito bem os locais de implantação, antes de iniciar a execução do seu projeto de rede. Alguns fatores são importantes ser considerados como:

Posteamento da concessionária local: analise bem o tipo, quantidade, localização, alturas de fixação de cabos, etc.

Ocupação do posteamento da concessionária: é importante que você verifique a ocupação de cada localidade, antes de elaborar o seu projeto de rede óptica. Informe-se com a concessionária de energia a capacidade disponível.

Compatibilização entre os projetos – Compartilhamento x Rede Óptica: aspectos relativos à locação de elementos de terminação de rede, locais de cruzamento e capacidade dos postes de ancoragem são fatores devem ser considerados.

Hoje, ainda existem diversos lugares afastados do perímetro urbano, onde conseguir uma conexão de qualidade é algo muito difícil, e um bom exemplo disso é a população nas zonas rurais, áreas com um grande potencial para provedores locais.

Por isso, antes de iniciar o planejamento de um projeto de rede, realize estudos técnicos que indiquem o potencial de demanda, evitando colapsos na transmissão, ou investimentos sem necessidade.

2- Conheça o público, suas necessidades e seus interesses

Os consumidores se tornaram mais exigentes, e conhecê-los passou a ser fundamental.Cada usuário possui uma demanda diferenciada.

Frente a todas estas mudanças e o mercado cada vez mais competitivo, é necessário ter um diferencial para atrair e fidelizar seu público.

Enquanto provedor e fornecedor do serviço, você deve estar atento as principais queixas e exigências dos seus usuários.

Colocar as necessidades dos clientes em primeiro lugar e torná-los mais satisfeitos é um ponto importante para a conquista e fidelização desse cliente.

3 – Conheça a legislação e as normas sobre a utilização de postes para estrutura cabeada

O projeto de compartilhamento de postes é fundamental para a execução de uma rede óptica, deve ser inserido desde o início no planejamento do projeto de rede e elaborado por profissional que seja habilitado pelo sistema CONFEA/CREA.

Existem algumas cidades que fizeram uma lei, dizendo que para cada fibra óptica passada na cidade, uma fibra óptica tem que ser destinada a Prefeitura, fazendo assim com que não seja necessário o aluguel do poste, apenas o projeto.

A prefeitura usa a fibra para os fins que desejar, por isso, antes de sair colocando cabos nos postes é necessário executar alguns procedimentos para evitar problemas futuros.

Órgãos públicos envolvidos no processo:

  • CREA

  • Prefeitura

  • Concessionária de energia

  • DNIT

  • DER

  • Detentoras de concessão de rodovias.

Dica importante: solicite sempre informações sobre a Norma Técnica de compartilhamento da concessionária local antes de iniciar qualquer projeto.É importante verificar a necessidade de alvarás e outros documentos para autorização das obras.

A primeira coisa que a empresa precisa para iniciar o processo de implantação de um projeto é possuir outorga SCM (Serviço de Comunicação Multimídia) da Anatel. Sem isso, infelizmente você não conseguirá assinar o contrato de compartilhamento de postes com a concessionária de energia elétrica que atende a região e ao contratar uma empreiteira especializada para fazer o lançamento dos cabos nos postes,

Dica de Profissional: Contrate uma empreiteira para ganhar experiência se este for o seu primeiro projeto de rede.Caso a sua própria empresa queira fazer o lançamento nos postes, vai precisar certificar seus funcionários com curso de NR-10 e vai precisar de um engenheiro de telecomunicações para se responsabilizar pela execução da obra e assinar a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica).

4 – Tenha um bom conhecimento sobre projeto de rede com fibra óptica, ou consiga um parceiro para orientá-lo.

A fibra óptica hoje tem sido a melhor opção para a implantação de um projeto de rede que necessita de uma boa largura de banda.

Com este conhecimento é possível ter uma visão mais ampla do que realmente irá necessitar para suprir de forma adequada futuras demandas. Dessa forma, pode visualizar diversos modos de atendimento e possibilidade de gerar valor aos clientes.

Existem muitas formas de capacitação e suporte, provedores que não possuem o conhecimento necessário para começar a implantar fibra óptica, além de garantir quer o processo seja bem executado e alguns aspectos são essenciais:

  • Fibra óptica e suas aplicações;

  • Tipos de fibras ópticas;

  • Cabos ópticos;

  • Conectorizações ópticas;

  • Elementos de redes ópticas;

  • Fontes ópticas (TX e RX)

  • Componentes de montagem e medições de infraestrutura

  • Instalações de redes ópticas.

Conclusão

Para tender a necessidade da entrega de serviços mais completos, que demandem uma maior largura de banda e saber equilibrar com o custo que pesa no bolso do usuário, um bom planejamento no projeto de rede é essencial e pode te fazer visualizar novas oportunidades.

Fonte: http://blog.intelbras.com.br/conteudo-tecnico/projeto-de-rede-gpon/


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Horário de atendimento.

Segunda a Sexta: 8h as 18h

Copyright © 2016 Tecnophar. All Rights Reserved. Designed by Piuu